segunda-feira, 11 de abril de 2016

A história do Portland Trail Blazers


O Portland Trail Blazers é um dos times da conferência oeste da NBA. A franquia já tem 46 anos de existência, com tradição, grandes jogadores, título e que eu, particularmente, acho um time bastante adorável.
A história do time começou em 1970, quando em uma expansão proposta pela NBA, três times foram fundados: o Buffalo Braves (atual L.A. Clippers), Cleveland Cavaliers e o Portland Trail Blazers por Larry Weinberg. A primeira temporada não foi muito boa, mas foi a melhor entre os times estreantes daquele ano, o time terminou com 29 vitórias e 53 derrotas. O destaque individual era o jovem armador, Geoff Petrie, que dividiu o prêmio de melhor novato do ano (ROY) com David Cowens, do Boston Celtics.
Geoff Petrie
O Blazers piorou na temporada seguinte (18-64), apesar de ter outro novato surgindo, em 1972, o ala Sidney Wicks, se tornou o segundo jogador do time a vencer o ROY. Wicks ainda foi escolhido como titular no all star game de 1973, a campanha do time melhorou em apenas 3 vitórias. Em 1974, após outra temporada ter acabado, o Blazers conseguiu 27 vitórias e 55 derrotas, mas o presente daquele ano foi bem melhor no Draft, com a primeira escolha, o Portland selecionou o pivô e futura lenda, Bill Walton!
Bill Walton
Walton era aquele tipo de jogador que engana quem o vê, vou explicar melhor, ele tinha a aparência de ser desengonçado, um jeitão meio rústico, mas era simplesmente um monstro em quadra, desde a faculdade, onde ganhou duas vezes o título da liga jogando por UCLA. Ele era o pé de apoio do Portland, o pé que faria você ter a base para dar um passo importante, vencer algo a mais, um título.
Entretanto, mesmo com a melhora do elenco e com um técnico que faria parte do hall da fama do basquete, Lenny Wilkens, o time não despontava. Em 1975 a campanha foi de 38 vitórias e 44 derrotas e em 1976 foi de 37 vitórias e 45 derrotas, ficando fora dos playoffs outra vez. O time não vingava. Wilkens voltou para Seattle, encerrando mais uma fase em Portland.
Depois de ter tido uma temporada ruim, não ter conseguido chegar aos playoffs desde sua fundação, com um técnico novo, o que esperar dos Blazers?  Em sã consciência, qualquer um diria que era uma temporada de adaptação, de apresentar algo diferente, melhorar a campanha anterior e lutar por uma vaga nos playoffs, se possível. Mas espera aí, o que vocês acham de vencer um título? Parece maluquice, não é? Pense melhor depois do que eu explicar o que aconteceu.
Maurice Lucas
A temporada 1976-77 começou com uma mudança fundamental: A NBA e  ABA (maiores ligas de basquete dos Estados Unidos) se fundiram, o que tornava aquela temporada ainda mais acirrada. O Portland começou trazendo o técnico Jack Ramsay e o ala-pivô, Maurice Lucas, proveniente do Draft de jogadores da ABA, mas para isso tiveram que se desfazer do armador Geoff Petrie. Não foi um problema, já que Lucas e Walton formaram uma excelente dupla, liderando o time, ambos foram selecionados para os playoffs.
A torcida do Portland fez parte da Blazermania, uma febre na NBA,  os torcedores lotavam todos os jogos, faziam festa no aeroporto para receber o time, que correspondia em quadra. Durante a temporada, o time chegou a ter sua vaga um pouco ameaçada, porém terminaram de forma sólida, em terceiro lugar no oeste (49-33), atrás apenas do Nuggets, Lakers e Sixers na classificação geral. Nos playoffs, o time passou pelo Chicago Bulls na primeira rodada, pelo Denver Nuggets e chegou na final da conferência oeste, o clima era de festa na cidade.
Foto incrível da fervorosa torcida dos Blazers
Os Blazers causaram um verdadeiro alvoroço, mas eram eles capazes de derrotar o poderoso Los Angeles Lakers da superestrela, Kareem Abdul-Jabbar? Na fase regular, o Lakers havia vencido três dos quatro jogos contra o Trail Blazers. O incrível aconteceu, o time de Oregon varreu o Lakers sem tomar conhecimento e chegou na final da NBA em sua primeira participação nos playoffs!
Depois de ser tão questionado, o Portland chegou na final bastante respeitado, mesmo enfrentando o excelente time do Philadelphia 76ers de Julius Erving. Os questionamentos quanto ao Blazers voltou após o Sixers vencer os dois primeiros jogos da série final, era improvável uma virada. Entretanto a campanha do Blazers era contra fatos improváveis, e aconteceu. A dupla Walton e Lucas brilhou, junto com todos os outros jogadores do time, fechando a série com um 109x107 no jogo 6, no Memorial Coliseum (antiga arena dos Blazers),  Bill Walton foi o MVP das finais.
Time e torcida de Portland comemorando o título no Memorial Coliseum
Após um dos títulos mais inesperados da NBA, quase todo o elenco dos Blazers teve suas camisas aposentadas em homenagem àquela temporada fantástica. Na temporada seguinte, o time era avassalador, começou com 50 vitórias e apenas 10 derrotas, mas tudo foi por água abaixo com a lesão no pé de Bill Walton, que mesmo perdendo o resto da temporada, foi eleito o MVP da liga.  O Portland caiu nas semifinais do oeste para o Supersonics.
Walton pediu para ser trocado no final da temporada, pois estava insatisfeito com o tratamento médico de Portland, o que acabou não acontecendo e ele perdeu toda a temporada 1978-79 e saiu do time na janela de verão para o San Diego Clippers. A saída de Lucas em 1980 marcou o fim daquela era em Portland. O time seguiu regular, se classificando, mas caindo cedo nos playoffs. O time tinha bons jogadores, como Jim Paxson, Fat Lever e Mychal Thompson. Ainda faltava um jogador fora de série, que não demorou a chegar, já que em 1983, a lenda Clyde Drexler foi draftado pelo Trail Blazers.
Clyde Drexler
A primeira temporada de Drexler foi discreta, o que iria mudar bastante nos anos seguintes. Falando em ano seguinte, em 1984, o Portland herdou a segunda escolha geral do Draft, o que certamente iria potencializar muito aquele time. Eles selecionaram Sam Bowie, ao invés do garoto Michael Jordan, que acabou indo para o Bulls, que tinha a terceira escolha.
O time ficou bem mais forte com a chegada do ala Kiki Vandeweghe, que fez uma boa parceria com Clyde Drexler e Terry Porter (draftado em 1985). O processo de renovação ainda teve a saída do técnico Jack Ramsay substituído por Mike Schuler, que ajustou o time e foi eleito o melhor técnico do ano (COY) em 1987, contudo o time não conseguia passar da primeira rodada dos playoffs, mesmo com as boas campanhas na temporada regular e um ataque letal com incríveis 177,9 pontos por jogo. 
Schuler durou até 1989, quando o Blazers fez uma campanha negativa e o assistente Rick Adelman assumiu o time. Apesar da campanha ruim, o Portland encantava os fãs do basquete, com um estilo de jogo contagiante. O ex-assistente técnico conseguiu transformar o time em uma potência da liga em 1990, melhorando a defesa, que também melhorou após a contratação do ala-pivô Buck Williams.
Depois de conseguir 59 vitórias e 23 derrotas na temporada, e graças ao seu poderio ofensivo, principalmente dentro de casa, Portland ganhou o apelido de 'Rip City'. O time finalmente voltou a uma final da NBA, mas acabou sendo derrotado pelo Pistons dos 'bad boys' 
Porter, Drexler, Williams e Kersey
O excelente quinteto (Porter, Drexler, Kersey, Williams e Duckworth) seguiu em alta e chegou na final da liga outra vez em 1992, mas era uma daquelas histórias de bons times/jogadores que nasceram em uma época errada, nesse caso especificamente, se tratava da era de Michael Jordan e do melhor time da história da NBA, o Bulls venceu a final por 4-2. Uma pena para aquele time do Portland, que merecia um título. Bom, o importante é que eles não serão esquecidos.
Depois de 1994, os Blazers viveram o início de um declínio, com seus jogadores tendo lesões e posteriormente sendo trocados, marcando o fim da era Drexler, Porter e Duckworth, além do técnico Rick Adelman, da sua arena, Memorial Coliseum (com a mudança para o Rose Garden), e do recorde de jogos consecutivos lotando a sua arena. 
Desde então o Trail Blazers adquiriu uma característica fundamental e que já atravessa anos sem quase mudar: Eles tem a capacidade de sempre fazer um time bom e competitivo, mesmo com poucas peças de destaque. O Portland se tornou uma figura carimbada nos playoffs, um time bastante regular durante as temporadas.
Na lista dos ótimos jogadores que passaram por lá desde 1999, estão Rasheed Wallace, Isaiah Rider, Damon Stoudamire, Scottie Pippen, Zach Randolph (que ganhou o prêmio de jogador que mais evoluiu de uma temporada para outra em 2004), Brandon Roy, LaMarcus Aldridge (provenientes do mesmo Draft, ajudaram a franquia a renascer depois de vários problemas internos), Wesley Matthews, Nicolas Batum etc. O time manteve o nível frequentando os playoffs várias vezes.
O excelente quinteto do Blazers que foi campeão de divisão em 2015
O auge do atual time foi com o Draft do armador Damian Lillard em 2012, o garoto é talento puro e formou uma excelente parceria com ótimos jogadores, Aldridge, Matthews e Batum, era um dos melhores times da liga, inclusive venceram juntos o título da divisão em 2015, O lance mais incrível e que marcou a carreira do jovem armador clutch do Portland foi a cesta da vitória faltando 0,9 segundos contra o Houston Rockets no jogo 6 da primeira rodada dos playoffs, classificando o Portland, o time não passava da primeira rodada desde 2000.
O lance inesquecível de Damian Lillard
Na atual temporada algo inesperado aconteceu: O quinteto titular do Portland sofreu um desmanche e o único que sobrou foi Damian Lillard. Muitas piadas foram feitas por conta disso e não se esperava muita coisa do time nesta temporada, porém com grandes atuações de Lillard e o surgimento de vários jovens talentos, como C.J. McCollum, Allen Crabbe, Al Farouq Aminu, Maurice Harkless e outros, os Blazers supreeenderam com um time raça, jovialidade, talento e força. O resultado foi a classificação antecipada aos playoffs e a garantia de que há um bom presente e futuro para a franquia.
O responsável pelo presente e futuro do Portland: Damian Lillard


Curiosidades do Portland Trail Blazers:
1. É o único time do estado de Oregon que participa das grandes ligas profissionais americanas
2. O nome da franquia seria Pioneers, mas um time de faculdade já utilizava esse nome, então o escolhido foi Trail Blazers, que é uma expressão com significado de "descobridores" e digamos que fica bem melhor que Pioneers, não é?
3. Durante 1977 e 1995, a torcida do Portland esgotou os ingressos de 817 jogos consecutivos, o então maior recorde de todas as 4 ligas profissionais americanas, foi ultrapassado posteriormente apenas pelo Boston Red Sox (MLB).
4.Clyde Drexler, Terry Porter e Geoff Petrie são os únicos jogadores que não participaram do título de 1977 a ter a camisa aposentada pelo Blazers.
5. O Blazers é o segundo time na história (depois do Celtics em 1969) a vencer uma final da NBA depois de perder os dois primeiros jogos da série.
6.  Na final de 1977, uma gigantesca briga entre jogadores, comissões técnicas e torcedores, mudou o rumo da final, inclusive, Maurice Lucas disse que aquilo mudou como os jogadores do Blazers se sentiam, os fez crescer. Resultado: Uma virada histórica¹
7. No Draft de 1964, o Portland selecionou Sam Bowie ao invés do futuro Deus do basquete, Michael Jordan!
8.Em 2004, o Portland Trail Blazers não foi aos playoffs, isso os impediu de igualar o recorde de temporadas consecutivas chegando à pós-temporada, estacionando nas 21.
9. No Draft de 2007 o erro se repetiu, o Portland tinha a primeira escolha geral e selecionou Greg Oden. O número 2 daquele ano era um jovem ala chamado Kevin Durant!

Nenhum comentário:

Postar um comentário